Poema (10) de Chris Herrmann

fumando

IMagem: Pinterest.com

 

Adrenalina

ali parada
esperando o nada
nem a calçada
me socorria

já não ouvia
le tais ruídos
corre-escorres
rodas gigantes
passos apertados
os cem rostos
os mil desalentos
apostando corrida
(em combustão)
com os meus

só fiquei ali
naquela fumaça
com meu cigarro
– naquele momento
único que me sorria –
dopaminando
meus pensamentos

 

Chris Herrmann

BARRO BRILHO

barro
brilho
nas mãos
brilho
quem sabe estio
rastilho
decerto pavio
luta latente do fogo
o novo
aquilo que participo
princípio
película ou precipício
vontade ou arbítrio
espectro ou rútilo
no abismo abre-se
olho ou ovo
partido fendido
em cacos
variáveis e inconstantes
cortando fagulhas do
instante
impossível quantum
arranjo sem sombras
ondas sinuosas abundâncias
perturbação contínua em afluência
a primeira original depois outra conseqüência
ainda mais constante que a primeira
pederneira aviso fio cimeira
de eventos surgida ou surgindo no tempo
desdobrando-se intensa imprecisa imensa
uma volta inteira órbita crista
imprecisa
partícula iridescente
calminando culminando aquiescente
nascimento sem ventre nem dentro
o fora enovela em si mesmo
a compreensão impossível do evento

uma revolução sem epicentro

[O sótão: era ali…]

O sótão: era ali
que o mundo começava. Ainda
não sabias, então,
quantas letras te seriam
necessárias para soletrar
o alfabeto dos dias, para encher
a tua caixa
de música, a tua concha
de areia. E ainda
o não sabes hoje. Com cinza
nada se escreve a não ser
as vogais do silêncio. E este
é o nome que se dá à ausência,
quando a noite e a poeira
dos astros pousam
sobre a ranhura dos olhos.

 

albano martins, O NOME DA AUSÊNCIA

goya

Vera Crichton - 1924 2

● isso não ha como negar ●
● foi um dia desses ●
● q aquele porra do goya ●
● com aqueles olhos de medusa ●
● admirava corvos sobre cão morto ●
● como morto deveria ta era goya ●
● como agora goya na praia ●

● bicado por corvos ●
● mas não fui eu quem matou goya ●
● não foram com certeza os corvos ●
● nem os q queriam matar goya ●
● ninguem tinha coragem de matar ●
● aquele porra ●
● q foi goya sendo goya quem era ●

● suicidio não digo e repito ●
● porq goya era covarde demais ●
● tanto pra matar quanto pra se matar ●
● era pulha cretino e avarento ●
● isso vcs podem perguntar a todos ●
● qualquer um dira o q tou dizendo ●
● q goya não valia nem merda ●

● q aquelas velas aqueles carvões ●
● aquelas telas martelos e pregos ●
● as tintas os oleos os raspadores ●
● os pinceis q fizeram goya ●
● o q goya pensava quem era e podia ●
● não fizeram goya valer um gole ●
● terminou assim bicado por corvos ●

● sangrado depois de torturado ●
● enquanto era sim bem garroteado ●
● isso jamais ●
● goya era tudo q digo e dizem ●
● covarde e babaovo pra se matar ●
● mas tinha inimigos como formigas ●
● nesse formigueiro onde vivemos ●

● eu mesmo jamais poderia indicar ●
● quem arrastou o corpo morto de goya ●
● pro bico afiado dos corvos ●
● pros admirares dos bons inimigos ●
● q os amigos não vão aparecer ●
● os amigos se é q existem tão sujos ●
● de tão cagados mijados e com medo ●

● goya assim bem servido de corvos ●
● precisa mesmo é dos certos inimigos ●
● porq dos amigos ele teria nojo ●
● ele vomitaria mesmo morto ●
● porq goya criava e goya era deus ●
● porisso não tinha amigos ●
● goya tinha e tera sempre inimigos ●

*

 

Poema (7) de André Luiz Pinto

 

portaretrato.jpg

IMagem: Pinterest.com

 

VII

 

Agora um dia imenso de sol.

Que não se compara aos cueiros

de sofrimento e grilo.

Nada que meu corpo apazigue

deverá movimentar o lodo

de uma vida inteira;

a miséria de um silêncio in loco

nas paredes e nos retratos

meus avós depois de tantos anos

sorriem da penteadeira

para mim. Não da maneira

como eu os imaginava

mas chulos, de uma tal crueza

que me arranca os pés;

nulos, de uma tal vergonha

que eu apareça no dia

seguinte e ninguém se ofenda.

Nada deverá constar nos ramais

de sangue, nos ideais que

só cabem num homem;

que não venha abonar seus

crimes – o de miserável

principalmente –, o de ruminar

a mesma indigesta inquietude.

De olhar um quadro e sorrir.

 

André Luiz Pinto