Pandemia em mim

Foto: Márcio Leitão

O gesto que vaza de nós

ou para nós

e o movimento

que esgarça o céu

viram, em alguns momentos, pó

neuronal

Grãos que se grudam a axonios

e dendritos no fundo

do fundo de nós.

Quando algo ou alguém

espana a ventania

ou sacode o azul

surgem nuvens de poeira

embrulhando medos

mais quietos.

Como não há aspirador

ou desifentantes para mentes

e tempestades

talvez o melhor a fazer

é deixar o vento guiar as nuvens

e a dor

na tentativa

de desfazer os nós.

Márcio Leitão

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s