Arquivo do autor:acaciamrios

Recortes

Coisas da tarde:

verde abacate

o som da gaita anunciando a cocada no tabuleiro

meu primo jogando o dente no telhado

eu me dividia em tantas partes

entre o que eu queria: alegrias

e o que me exigia: álbum de figurinha.

 

Acácia Rios

Imagem: “Los sueños”, Miró

 

Instinto

1.

do outro cômodo

escuto o estalo:

de ossos quebrando

nos dentes do gato

coluna e poros se arrepiam

por tão pequena vida

que se vai numa mordida.

2.

a felina se alimenta

ato contínuo –

de sangue e placenta.

3.

o homem retalha corações

aorta, ventrículo, sentimento

e os come de manhã

com desdém e croissant.

 

Acácia Rios

Imagem: “Gato comendo pássaro”, Picasso

Buracos

Para May, Logan, Deco, Duque, Dinah, Ulisses

E para Jasmina

 

o cachorro e os gatos foram morrendo

de repente a casa

sem cheiros

rabos balançando

bigodes se movendo

focinhos frios, pelos

corpo roçando os pés

ranhuras no sofá.

O amor é muito

para um tempo tão curto.

 

Acácia Rios

Imagem: ‘La estrella matinal’, Joan Miró

Casa habitada

Tem calor

Móvel com óleo de peroba

Às vezes, uma aranha

Travesseiro cheirando a lavanda

Tem ruídos

Vozes dentro e que entram

irmão, irmã

gato no sofá

lápis e caneta na gaveta

porta sem maçaneta

 

A casa habitada

tem também o que mais falta

o pai, a mãe

e o permanente travo na garganta.

 

Acácia Rios

 

 

Arte

 

Para Lécio Drummond

 

O abajur se impõe sobre a sala de paredes claras

refletindo sobre mim seu permanente lusco fusco

Penso: aquele que o fez

dá para o silêncio o lume exato que procuro

Suas mãos têm bastante mistério para que não encontrem – aquém –

outras mãos pra acalorar

Fabrica febril o abajur

e outros objetos com que sonhar.

 

Acácia Rios

 

Imagem: Chris Kovacs

Amor

 

Ele chegou de acordo com o sol

me inundando de mistérios

Disse meu nome como se falasse um verso

no dia primeiro em que nos vimos

o sertão nos deu certezas

e o amor que resvalava de entre cactus e orquídeas

logo nos amarrou feito um laço de fita.

 

Acácia Rios

Fotografia: Ingrid Endel

Ceifa

Não sei dizer das festas

onde não estive

com vulcabrás e farda de gala

nem dos dias em branco

que não contam neste balanço retardado

quando envergo a memória

Só colhi as rosas que no caminho eram frondosas

Quem me (es)colherá?

 

Acácia Rios

Imagem: Ben Zank

 

 

Nuvem

 

Tomada estou de amor

antes, o cosmos – sereno rio a me banhar os pés

agora o caos

dispersando um a um meus pontos cardeais

enfeitiçada estou

– farto alguidá repousa na brisa em meu sentido –

urdindo dias de agonia

à minha própria revelia.

 

Acácia Rios