Arquivo do autor:alberto lins caldas

a velha puta hyena

hyena

● a velha puta hyena ●
● puta de vasta ninhada faminta ●
● prendeu por tres meses minha mãe ●
● numa toca esperando sua morte calada ●
● apenas ela a velha puta hyena ●
● poderia gozar aquela morte aquela dor ●
● a solidão o silencio da morte de minha mãe ●

● a velha puta hyena ●
● puta de vasta ninhada faminta ●
● escondeu meu pai no fundo do seu labirinto ●
● sentado sozinho entrevado entregue ●
● pra morrer como os carrapatos de puta ●
● velha hyena pregado na sua carne suja ●
● ate q meu pai morreu sufocado no vomito ●

● a velha puta hyena ●
● puta de vasta ninhada faminta ●
● alimentou a vasta ninhada faminta ●
● com leite carne moedas dos meus pais ●
● rindo por ser tão facil devorar calada ●
● enquanto eu perdido no etna encontrei ●
● a velha entrada q não faz sentido ●

● a velha puta hyena ●
● puta de vasta ninhada faminta ●
● roubou tudo q pode dos meus pais ●
● q era de todos nos seus filhos irmãos ●
● a puta velha hyena de vasta ninhada ●
● podera cair num buraco ser rebaixada ●
● mas as hyenas morrem de repente ●

● a velha puta hyena ●
● puta de vasta ninhada faminta ●
● morrera de repente mas não sem antes ●
● ver a morte de um dois ou tres ●
● da sua vasta ninhada e cuspir sangue ●
● como cospem sangue todas as hyenas ●
● assim carrapatos sugando sangue ●

● a velha puta hyena ●
● puta de vasta ninhada faminta ●
● antes de tudo será devorada viva ●
● por sonhos por desejos não satisfeitos ●
● pela loucura q dança no meio da sala ●
● a velha hyena q nunca gozou e trai ●
● não gozara vendo seu mundo se quebrar ●

● a velha puta hyena ●
● puta de vasta ninhada faminta ●
● mama nas tetas de todo e qualquer poder ●
● ela matou meu pai minha mãe e trai ●
● aqui no etna vejo o mar e a loucura ●
● a perversa ninharia o dinheiro deus e trai ●
● o marido q precisa ser enganado pornada ●

● a velha puta hyena ●
● puta de vasta ninhada faminta ●
● vera o horror dor e pavor a doença venerea ●
● antiga esquecida pra sempre e silenciada ●
● essa hyena q matou meu pai e minha mãe ●
● destruiu meu lar minha fuga o riso ●
● vera o sangue tocar sua ninhada e eu rindo ●

 

*

 

o inverno sera violento e duro

Jasem Khlef 2

● depois desse inverno ●
● ja consegui estocar mil avelãs ●
● quatro mil coisas q se come e planta ●
● nesse inverno q vem mais violento e duro ●
● um inverno como jamais houve igual ●
● sinto isso na pele nos ossos no peito ●
● não sei se o q estoquei sera suficiente ●

● minha toca é imensa é um mundo ●
● mas o inverno é maior perverso e duro ●
● ja tranquei as saidas ja reforcei tudo ●
● ja preparei as armas as defesas os planos ●
● mas o inverno sera demais violento e duro ●
● como tou velho acho q morrerei aqui dentro ●
● sem ter comido nem metade disso ●

● se bem q a vida não vale a pena ●
● ou vale so a metade dela vale a pena ●
● metade um belo verão com belos invernos ●
● o resto apenas a aproximação do nada ●
● mas isso não me deixa triste nem abate ●
● o inverno sera demais violento e duro ●
● terminarei me tornando parte dele ●

*

sombras

Picasso - Minotaure - 1933

● vejo sempre a sombra do minotauro ●
● quando fujo e fujo sempre sem parar ●
● sei q é a sombra do minotauro ●
● pelos chifres pelo corpo de touro ●
● pelos urros de touro contrariado ●
● sei q é o minotauro porq sua sombra ●
● é a minha sombra de minotauro ●

*

circulo de fogo

Leo Matiz

● fogo tão violento ●
● q arrasta tudo e torra ●
● o q existe na hora mesma ●
● em q pulsa e vive e sonha e luta ●
● sem deixar cinzas po ou vento ●
● apenas os rastros da destruição ●
● se repetem se reproduzem sem fim ●

● pra serem novamente destruidos ●
● na tempestade violenta na hora ●
● mesma em q pulsa e vive e sonha ●
● sem deixar nem o deserto q deseja ●
● ficar no lugar de tudo e nem ele ●
● permanece ao fogo violento q torra ●
● sem deixar cinzas po ou vento ●

● o q existe agora agora mesmo sim ●
● ja passou na tempestade violenta ●
● tão violenta q pensamos q existimos ●
● em passados presentes e vira futuro ●
● tudo torrado a cada nada pro nada ●

*

hokusai

Sebastião Salgado

● quantas vezes hokusai sonhou ●
● com as garras das monstruosas ondas ●
● ate conseguir tocar o cinzel e começar ●
● com as unhas os dedos as patas o corpo ●
● monstruoso das ondas q se erguem raivosas ●
● desabando antes das rochas aos berros sim ●
● como animal faminto lutando so pra devorar ●

● praias mas antes mergulha serpente violenta ●
● nas aguas verdazuis do mar q respira se ergue ●
● como bufalo sonhando com hokusai sonhando ●
● com ondas monstruosas com medo do cinzel ●
● medo dos veios na madeira q respira como mar ●
● como bufalo atingido pela flecha mergulhando ●
● num penedo verdazul baleia plena de abismo ●

● flutuando nas dunas de areia do fundo do mar ●
● como se cavalgasse indo convencer hokusai sim ●
● de acordar pegar o cinzel criar a onda as ondas ●
● cavalgando no deserto do medo de hokusai sim ●
● foi dessa maneira q hokusai se levantou sim sim ●
● tomou a madeira o cinzel e vieram violentas sim ●
● ondas o mar inflado verdazul barcos e o vulcão ●

*

sapho

La vie d'Adele 2013 - 2

● morro sapho ●
● por teus beijos q passarão ●
● teus seios teu halito de laranja ●
● morro de saudade do teu gozo ●
● minha boca na tua flor e pelos ao redor ●
● tudo q perderei quando teu barco partir ●
● nada como teus pelos sedosos teu gozo ●

● ao redor da minha dor quando vc goza ●
● me olhando espantada como um potro novo ●
● olha os olhos da noite e ouve morcegos ●
● horas borbulhando na minha boca ●
● teu canto gritos como o sono q nos toca ●
● assim eu durmo entre teus pelos sedosos ●
● sonhando os mesmos sonhos teus ●

● assim te vi partindo no porto toda azul ●
● q virão outros corpos outras vozes ●
● outras linguas entre teus pelos sedosos ●
● outras dormindo entre eles e sonhando ●
● os mesmos sonhos teus e acordando assim ●
● como eu agora chorando ao perder teus pelos ●
● teu gozo nosso sono nosso sono nossa dor ●

*

pere lachaise

ragnar axelsson 4

● neve nevoa ●
● redemoinho de fumaça ●
● corpo de nada nada nonata ●
● rodopia no meio da estrada ●
● a rua a rua desaparece lama ●
● de neve de nevoa de nada ●
● os muros pesados dos mortos
● não entram no redemoinho ●

● redemoinho de neve nevoa ●
● fumaça corpo de nada nonata ●
● nada a rua a rua desaparece ●
● lama de neve de nevoa de nada ●
● os muros pesados dos mortos ●
● peso não entra no redemoinho ●
● ossos demais alem dos muros ●

● não entram no redemoinho ●
● os muros pesados dos mortos ●
● de neve de nevoa de nada ●
● a rua a rua desaparece lama ●
● rodopia no meio da estrada ●
● corpo de nada nada nonata ●
● redemoinho de fumaça nada ●

*