AUTOEXÍLIO

Um retrato torpe do nosso tempo
ali na parede
corroído pelas traças e pela distância

O sofá rasgado, a parede descascada
Um jardim de ervas daninhas a tomar conta
Persianas enferrujadas denunciam ainda mais
a ausência cinza de tudo

No chão a sombra desfigurada
desenha um pássaro

nosso canto em autoexílio.

Leandro Rodrigues

In: Faz Sol Mas Eu Grito, Editora Patuá, 2018.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s