Arquivo do autor:felipedcastro02

Tu estás em todos os lugares

felipe-e-jenifer

Imagem: Jennifer Trajano

 

TU ESTÁS EM TODOS OS LUGARES

(Felipe D’Castro)
um poema para Jennifer
tu estás em todos os lugares
em todos os rostos, em todos os andares
tu estás como uma natureza que habita
todas as vidas deste mundo.
tem teus olhos as frutas que pendem
das árvores charmosas no centro da cidade
e as aves que singram as alturas
carregam o leve som do teu nome.
todas as nuvens figuram teu ventre
e quando a tarde adormece
vejo teu colo exposto no céu
como uma bandeira do eterno delírio.
os mares copiam tua valsa
quando, calada, me convences de tudo
e os peixes que deles pulam
são tuas dores, as balas de prata.
tu estás em todos os lugares
e por estares tão dentro aqui
já não cuido saber se sois tudo
ou se todos os lugares estão em ti.

EM PAR

em-par

Imagem: Pinterest.com (Kandinsky)

 

 

EM PAR

(Felipe D’Castro)

 

parte de mim

alcança o céu

quando te enxerga;

 

a outra parte

fica semente

e se nega.

 

parte de mim

canta

e te habita;

 

a outra parte

é silêncio, cimento,

despedida.

 

parte de mim

te coroa

e te festeja;

 

a outra parte

é siso, carranca

y igreja.

 

: parte de mim

em par

te deseja :

O Pássaro

passaro

IMagem: Pinterest.com

 

O PÁSSARO
(Felipe D’Castro)

era menino não
mas passarinho

a casa dentro da asa
morava onde não morava

pois que
, passarinho era mudo
bico colado, calado
e surdo.

o menino dizia
canta
e passarinho nunca

a casa dentro da asa
voava, mas que não
voava

gaiola, jaula,
gaiola

a vida não entendia
o mundo trancado
lá fora

passarinho não
era o menino
agora.

Quando a noite invadir os espelhos

 

noite nos espelhos

Imagem: Pinterest.com (Janaina Tschape)

 

QUANDO A NOITE INVADIR OS ESPELHOS

(Felipe D’Castro)

 

as peles cairão como tempestade

quando a noite invadir os espelhos

 

será seca a flor silvestre do teu viço

e deserto o teu corpo, como um asfalto;

 

lá do alto, neste céu apodrecido,

deus estará triste como um suicida.

 

o teu nome grafitar um jazigo

na boca aberta da eternidade.