Poema (2) de Lázara Papandrea

Imagem: Pinterest.com

II-

Do que há de ser

Não somos.

Não seremos o ser

Que sabe

Fratura exposta,

Sol causticante.

Onde cabe

Vir até aqui?

Como

Ir para de onde não se vem

?

Sêmen quente

D’outro dia a negar

Dia novo

O tempo em fastio

Levando

para longe a memória

Prensada em atroz

Despertencimento.

Lázara Papandrea

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s