A CASA é sua, pode chegar pro lançamento.

 

Lance o verso fundamental e a CASA surge.

Falta pouco, menos de uma semana, na verdade.
Há um lançamento no Rio de Janeiro.
Será um local musical, um bar de blues, no coração da cidade.
Será no próximo domingo à tarde, para constar como o passeio geral (todo mundo mesmo) e esticarmos numa conversa bem amigável.
Haverá abraços e assinaturas.
A Editora Urutau fez um evento no Facebook. Eu pretendo postar reflexões poéticas e outros absurdos durante esta semana.
O link está aqui:

https://www.facebook.com/events/463138334485438/?notif_t=event_description_mention&notif_id=1563200925289996

Lançamento da CASA
Domingo, 28/07/2019, 16h
Mississippi Delta Blues Bar RJ
Rua Pedro Ernesto, 89 – Gamboa

Nesta tarde, a CASA posou pra sua primeira sessão de fotos.

primeira foto da casa

A todos eu entrego as chaves da CASA.

AS CHAVES

que chave você abre
quando quer se fechar
naquilo que sabe?
onde cabem
as estranhas formas de amar,
os pedidos de seda e as
palavras de armar?
naquele tolo encaixe?
não cale o lascivo.
esse equilíbrio sem sentido
de tudo que queremos escravo.
agora diga que não sabe
agora peça que não pare
agora venha e me fale
coisas delicadas e bobas
que mancham a camisa
respingam a saia
com cores boas e confissões,
tons de verdades inventadas.
tudo mais em nós é cartada
vislumbre de uma sala.
o cego contorno da pele rara
entoada em cantigas em braile,
nos dedos, a fala.

qual delírio cabe
quando se quer se fechar
naquilo que se abre?
onde pôr
as entranhas e as marés do mar,
as ondas de suor e o esforço,
esse querer remar?
todos somos tolos, relaxe.
abra o mel da libido.
esse carnaval e
as malas, a atravessada
risada da vida dobrada nas roupas
usadas, tudo passando
ala após ala e
um beijo.
o equilíbrio desmedido
do nunca e do sempre,
o impossível balanço entre
o rente e o quente.

agora morda, torça sem força.
agora ouça o curso da boca.
agora rouca, o que restou da
fala respira.

tudo mais em nós é essa voz
tão rasa, uma pressa molhada
essa escrita borrada em cada
canto da casa.
esse pronto alívio, essa brisa na cara.
esse perfeito vislumbre da vida,
que mesmo calada
aquarela a tela
e desfalece,
que a moldura
ampara.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s