ANGÚSTIA (poesia para tempos de sangue)

não há luta
também não há vagas
empregos tampouco
a estática, a deriva
a massa, a medida coletiva
a mídia, a medida preventiva
as mesas ainda flutuam
na inatividade da vida
a vergonha pública
os corredores acesos
as portas trancadas
os carros, os mesmos
os rastros nos acessos
as fraudes de peso
os funcionários fantasmas
o dinheiro, este sim, não ectoplasma
desmaterializa-se com as matas
os borra-botas e cabotinos
atados às suas pastas
o poder desfaz-se dos tontos
o poder está pronto mas não
cabe nas mãos de todos
sobre os ombros de todos
resta dentro de todas as casas
o rastilho
o contido
seria grito
ou seria fome?

não há luta
alguém escuta
no silêncio?

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s