Poema de Emerson Sarmento

Apoteose (i)mortal

Na pouca luz sublima-se teu corpo
Nu, trêmulo, um mar revolto
Passo-lhe a língua na perfeita
Simetria dos seios, na barriga,
Na fonte da vulva viva, como quem
Tem sede há séculos.
Mordo-lhe, penetro-lhe desbravando
Paixão, ares, se há vida após gozo.
Teus olhos procuram enxergar-me
Mas sou ainda as sensações brutais
Que te cegam, te enlouquecem.
Morremos por segundos
E os olhos se encontram,
Ali renascemos para depois
de uns instantes
Morrermos novamente.

 

Emerson Sarmento

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s