Poema (4) de Eliza Araújo

oldman

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Fonte: Pinterest

[PAI DE MÃE]

Vovô
é feito de memórias.
Jamais peguei na sua mão
mas pela narração de minha mãe
Sei onde ficavam suas linhas
e qual delas interrompia a linha da vida.
Posso ouvir o som dos seus sapatos no domingo
e sinto que ele gostava de sentar
onde batia o sol da tarde.
Era de posar para fotos
sorrir para vizinhos
Sentar-se de joelhos separados
desfazendo o vinco das calças.
Provavelmente bebia água
em goles pequenos e apressados
comia pão com manteiga e miolo
e mergulhava o biscoito maria no copo de café.
Sei que escrevia cartas,
uma das minhas coisas favoritas da vida.
Sei que amou,
uma das coisas que me faz quem sou.
Na cidade de onde vim
ainda piso nos passos dele
e mesmo que não leve sua memória
seguro o lápis –
não o lapso,
e beijo sua história
em forma de mãe.
Este post foi publicado em Avulso em por .

Sobre luisagadelha

Luísa é graduada e mestra em Letras, graduanda em Filosofia, ama literatura desde sempre e quadrinhos há alguns anos, tem preferência por romances (longos), sejam clássicos ou contemporâneos e se esforça - ou nem tanto - para ler mais poesia. Isso quando não está vendo séries.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s