todos nos depois do incendio

cimitero staglieno - comune di genova

● não sabemos de onde viemos ●
● ha tanto tempo talvez duma pocilga ●
● onde quase todos nos eramos porcos ●
● talvez duma igreja velha dum padre ●
● fornicador invejoso covarde punheteiro ●
● talvez das prisões por crimes demais ●
● talvez das feiras roubando migalhas ●

● quem sabe do trato rude da terra ●
● batatas cenouras beterrabas cebolas ●
● por seculos antes sem se dar conta ●
● sem sonhar saber sonhar isso jamais ●
● so as raizes da terra os senhores ●
● deus perverso matando aleijando roendo ●
● dissolvendo tudo como baratas cega ●

● comedores das pulgas dos senhores ●
● q eram senhores sem saber porq e sim ●
● mas as pulgas nos matavam a fome sim ●
● como faziam os ratos no fim da tarde ●
● olhando pros outros sem ter o q dizer ●
● ?dizer o q ?dizer pra q basta esse ser ●
● assim veio o tempo q demora e arrasta ●

● nos barcos pro outro mundo o novo sim ●
● aqui somos outros mas continuamos sim ●
● escondidos comedores de pulgas sim sim ●
● nos coçando no escuro covardes sim sim ●
● comedores de ratos no fim das tardes ●
● imitado os senhores q imitam senhores ●
● q imitam senhores todos sem saber sim ●

● na terra nova devoramos quem vivia aqui ●
● devoramos tudo como ratos ate o fim ●
● nada fizemos pra mudar a covardia o dia ●
● nenhuma noite sonhamos so mentimos ●
● dizendo q sonhamos e os senhores todos ●
● como ratos dos fins de tarde ordenando ●
● nossa vida nossa lingua nosso tempo ●

● arrastamos como torras de madeira ●
● escravizados povos sem fim tantas linguas ●
● tantos deuses comidas musicas amores ●
● o q fizemos foi tornar todos eles porcos ●
● reis artistas guerreiros mulheres e crianças ●
● q ardessem como vermes e pra tubarões ●
● nenhum deles comedores de pulgas ●

● nos comedores das pulgas dos senhores ●
● labios nos sacos ensebados dos senhores ●
● obedecemos como obedecemos o medo ●
● nunca nossa terra nossa lingua e casa ●
● jamais nossos caminhos jamais a alegria ●
● devorando a carne suja dos senhores ●
● so as pulga fizeram nosso mundo ●

● de tempos em tempos um incendio ●
● pra nos testar com outra vida outra força ●
● outro povo alem de comedores de pulgas ●
● incendio violento feito pelos senhores ●
● pra ver se somos o q somos de vera ●
● e vemos nas sombras nossa imagem ●
● vemos enrola bostas comendo pulgas ●

● alegre fazemos festas vamos as praias ●
● fazemos versinhos e canções ao amor ●
● dizemos ?é ilusão como rola bostas não ●
● gigantes adormecidos no verde oliva ●
● oceanos povo heroico e vara no anil ●
● sombras q mentem tomam cervejas ●
● jamais enrola bostas comendo pulgas ●

*

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s