Poema (28) de Fiori Esaú Ferrari

selfie feliz

Imagem: Reprodução/El Hombre

 

Urgentemente triste

Eu quero ser triste!
Deixem-me triste!

Longe de mim
com a sua esperança rota,
com a sua felicidade abúlica,
com a sua metafísica livresca,
seus dentes à mostra no selfie.

Meus dentes contra congresso
Ou a reorganização educacional da sua pedagogia torta.

Eu quero ser triste!
Eu preciso ser triste!

Triste
pra erodir sua alegria falsamente despolitizada.
Sua alegria sem graça de rede social.

Eu preciso ocupar de tristeza
seu bairro,
sua escola,
a praça em que não percebe
corpos entre a noite e o lixo.

Deixem-me triste,
urgentemente triste,
amplamente triste,
como as flores que se abriram na manhã

e cobriram o horizonte
sem você notar.

Fiori Esaú Ferrari

In: Tensão Superficial da Poesia. Editora Penalux, 2016

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s