CÁLIDA

há muito, meu amor, entre os lençóis
labirintos e quebrantos
o elenco de um sonho in italiano
o galope do desejo
distante de tudo que é perfeito
finito e puro, bate no peito
o abrigo que resta ao intenso estio

chamei-te pelo nome
e era cálida, cálice, alvorada
pradaria, gramínea orvalhada
assim chamei-te pelo nome

carrega-me contigo além do vazio
além da solidão da sala
a loucura da vida diária

há muito mais, amor, é pleno o corpo
de mergulho e assombro, uivo
terreno, vento contínuo
e o pecado é dos ingênuos

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s