Poema (10) de Saturnino Valladares

chuva pingos

Imagem: Pinterest.com

 

Como un ciego palpándote

la sangre, su azul secreto, sus pliegues,

 

corriendo alegre y precipitado

por tus intimidades, en penumbra,

tropezando en el calor de las piedras,

en los jardines lisos a que hueles,

cayendo sobre ubérrimos charcos

de lluvia y de caricias,

de labios y de frutos.

 

Por tu cintura cómplice

sumergido en el trópico,

con los ojos abiertos a la vida.

___________________________________________________________________________

Como um cego te apalpando

o sangue, seu azul segredo, suas dobras,

 

correndo alegre e precipitado

por tuas intimidades, na penumbra,

tropeçando no calor das pedras,

dos jardins lisos a que cheiras,

caindo sobre ubérrimas poças

de chuva e de carícias,

de lábios e de frutos.

 

Por tua cintura cúmplice

mergulhado no trópico,

com os olhos abertos à vida.

 

Saturnino Valladares

(In: Segredos da Fênix: Editora Valer)

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s