[A-carta-do-vidente de Rimbaud]

A Paul Démeny
Rue Jean de Bologne
Douai.
Charleville, 15 de maio de 1871.
Resolvi lhe dar uma hora de literatura nova. Começo logo com um salmo da
atualidade:
CANTO DE GUERRA PARISIENSE
A primavera é evidente porque
………………………………………….
– Eis a prosa sobre o futuro da poesia: –
Toda a poesia antiga termina na poesia grega, Vida harmoniosa. – Da Grécia ao
movimento romântico – idade média,– há letrados, versificadores. De Ennius a Theroldus,
de Theroldus a Casimir Delavigne, tudo é prosa rimada, um jogo, deformação e glória de
inumeráveis gerações idiotas: Racine é o puro, o forte, o grande. – Que cada um sopre
sobre suas rimas, rascunhem seus hemistíquios, o Divino Tolo seria hoje tão ignorado
quanto o primeiro a ser autor de Origens. – Depois de Racine, o brinquedo estragou. Durou
dois mil anos!
Nem piada, nem paradoxo. A razão me inspira mais certezas sobre o assunto que a
cólera que tivesse algum dia um Jovem-França. De resto, libere os novos para execrar os
ancestrais: estamos em casa e temos tempo.
Jamais julgamos bem o romantismo. Quem o teria julgado? Os críticos!! Os
Românticos? que provam tão bem que a canção é tão poucas vezes a obra, quer dizer o
pensamento cantado e compreendido do cantor.
Pois EU é um outro. Se o cobre amanhece clarim, não é culpa dele. Isso para mim é
evidente: eu assisto à eclosão do meu pensamento. Eu a olho eu a escuto: meu arco toca a
corda: a sinfonia se agita nas profundezas, ou vem de um salto em meio à cena.
Se os velhos imbecis não tivessem encontrado apenas o significado falso de EU, não
teríamos que limpar esses milhões de esqueletos que, desde um tempo infinito, acumularam
os produtos de sua inteligência caolha, clamando que eram os autores!
Na Grécia, já o disse, versos e liras ritmam a Ação. Além do mais, música e rimas são
jogos, descansos. O estudo desse passado encanta os curiosos: muitos se oferecem o prazer
de renovar essas antigüidades: – é para eles. A inteligência universal sempre lançou suas
idéias naturalmente; os homens colhiam uma parte desses frutos do cérebro: agia-se por,
escrevia-se livros: assim é que funcionavam, o homem não se trabalhando, não estando
ainda desperto, ou ainda na plenitude do grande sonho. Funcionários, escritores: autor,
criador, poeta, este homem nunca existiu!
O primeiro estudo do homem que quer ser poeta é o conhecimento de si mesmo,
inteiro; ele busca sua alma, ele a observa, tenta, aprende (instrui). A partir do momentoque
ele a sabe, ele deve cultivá-la; isso parece simples: em todo cérebro se cumpre um
desenvolvimento natural; tantos egoístas se proclamam autores; há também outros que
atribuem a si seus progressos intelectuais! – Mas trata-se de fazer a alma monstruosa: à
maneira dos comprachicos, qual! Imagina um homem implantando e cultivando verrugas
em seu rosto.
Eu digo que é preciso ser vidente, se fazer vidente.
O poeta se faz vidente por um longo, imenso e pensado desregramento de todos os
sentidos. Todas as formas de amor, de sofrimento, de loucura; ele busca a si mesmo, ele
exaure em si mesmo todos os venenos, para então guardar apenas as quintessências.
Inefável tortura na qual necessita de toda a fé, toda a força sobre-humana, onde ele se torna
entre todos o grande doente, o grande criminoso, o grande maldito, – e o supremo Sábio! –
Pois ele chega ao desconhecido! Uma vez que ele cultivou sua alma, já rico, mais que
todos! Ele chega ao desconhecido, e quando, enlouquecido, ele acabaria por perder a
inteligência de suas visões, ele as viu! Que ele estoure em seu sobressalto pelas coisas
inaudíveis e inomináveis: virão outros horríveis trabalhadores; eles começarão pelos
horizontes onde o outro se abateu!
– seguem seis minutas –
Aqui, intercalo um segundo salmo, fora do texto: queira estender um ouvido
complacente, – e todo o mundo ficará encantado. – Tenho o arco na mão, eu começo:
MINHAS NAMORADINHAS
Um hidrolato lacrimal lava
……………………………………..
Aí está. E repare bem que, se eu temesse lhe fazer desembolsar mais de 60 c. de porte,
– eu pobre inquieto que, há sete meses, não toquei em uma única moeda de bronze! – eu lhe
enviaria ainda meus Amantes de paris, cem hexâmetros, Senhor, e minha Morte de Paris,
duzentos hexâmetros!
– Eu retomo:
Portanto, o poeta é realmente ladrão de fogo.
Ele é encarregado da humanidade, dos animais mesmo; ele deverá fazer sentir, apalpar,
escutar suas invenções; se o que ele traz de lá possui forma, ele dá forma; se é disforme
(informe) ele dá a não-forma (informe). Achar uma língua; – De resto, toda palavra sendo
idéia, o tempo de uma linguagem universal virá! É preciso ser acadêmico, – mais morto que
um fóssil, – para criar um dicionário, qualquer que seja. Fracos se poriam a pensar sobre a
primeira letra do alfabeto, que logo poderiam escoicear na loucura!
Esta língua seria da alma para a alma, resumindo tudo, perfumes, sons, cores,
pensamento dependurando pensamento e estirando. O poeta definiria a quantidade de
desconhecido que despertaria em seu tempo a alma universal: ele daria mais – que a
fórmula de seu pensamento, que a notação de sua marcha ao progresso! Enormidade se
tornando norma, absorvida por todos, ele seria verdadeiramente um multiplicador de
progressos!
Este futuro seria materialista, o senhor vê; – Sempre repletos do Número e da
Harmonia, esses poema seriam feitos para ficar. – No fundo, essa seria ainda um pouco a
Poesia grega.
A arte eterna teria suas funções, como os poetas são cidadãos. A poesia não ritmaria
mais a ação; ele seria antes.
Esses poetas serão! Quando se quebrar a infinita servidão da mulher, quando ela viver
para ela e por ela, o homem, – até aqui abominável, – lhe tendo dado a sua oferenda, ela
será poeta, ela também! A mulher encontrará desconhecido! seus mundos de idéias
diferirão dos nossos? – Ela encontrará coisas estranhas, insondáveis, pulsantes, deliciosas;
nós as pegaremos, as compreenderemos.
Esperando, peçamos aos poetas do novo, – idéias e formas. Todos os hábeis
acreditariam logo ter satisfeito este pedido. – Não se trata disso!
Os primeiros românticos foram videntes sem dar muita conta disso: a cultura de suas
almas começou nos acidentes: locomotivas abandonadas, mas ardentes que ficam algum
tempo nos trilhos. – Lamartine é às vezes vidente, mas estrangulado pela forma velha. –
Hugo, demasiado teimoso, possui ver nos últimos volumes: Les misérables são um
verdadeiro poema. Tenho Les châtiments em minhas mãos; Stella dá um pouco a medida do
ver de Hugo. Muito de Belmontet e de Lamennais, de Jehovahs e de colunas, velhas
enormidades arrebentadas.
Musset é quatorze vezes execrável para nós, gerações dolorosas e tomadas de visões, –
como sua preguiça de anjo as insultou! Oh! Que contos e provérbios insípidos! Oh, as
Nuitss, oh Rolla, oh Namouna, oh la Coupe! Tudo é francês, quer dizer, odiável ao último
grau; francês, não parisiense! Ainda uma obra deste odioso gênio que inspirou Rabelais,
Voltaire, Jean La Fontaine, comentada pelo senhor Taine! Primaveril, o espírito de Musset!
Charmoso seu amor! Aí está, pintura de esmalte, poesia dura! Saborearemos por muito
tempo a poesia francesa, mas na França. Todo rapaz merceeiro está na medida de afetar
uma apóstrofe Rollesca, todo seminarista carrega as quinhentas rimas no segredo de um
caderninho. Aos quinze anos, esses elans de paixão colocam os jovens no cio; aos
dezesseis, eles se já se contentam em recitá-los com alma; aos dezoito anos, aos dezessete
mesmo, todo colegial que possui meios faz o Rolla, escreve um Rolla! Alguns talvez até
morram aí. Musset não soube fazer nada; havia visões atrás da gaze das cortinas: ele fechou
os olhos. Francês, arroz com feijão, arrastado do botequim à carteira do colégio, o belo
morto está morto, e desde então, não nos ofereçamos mais nem mesmo a pena de despertá-
lo por nossas abominações!
Os segundos românticos são mais videntes: Th[éophile] Gautier, Lec[onte]. de Lisle,
Th[éodore] de Banville. Mas observar o invisível e ouvir o inaudito sendo outra coisa que
retomar o espírito das coisas mortas, Baudelaire é o primeiro vidente, rei dos poetas, um
verdadeiro Deus. Mesmo assim, viveu num meio demasiado artista; e a forma tão elogiada
nele é mesquinha: as invenções de desconhecido reclamam formas novas.
Rompimento com as formas velhas – entre os inocentes, A. Renaud, – fez seu Rolla; –
L. Grandet, – fez seu Rolla; – os gauleses e os Musset, G. Lafenestre, Coran, Cl[aude].
Popelin, Soulary, L. Salles; os escolares, Marc Aicard, Theuriet; (es corts) e os imbecis,
Autran, Barbier, L. Pichat, Lemoyne, les Deschamps, os Desessarts; os jornalistas, L.
Cladel, Robert Luzarches, X[avier] de Ricard; os fantasistas, C[atule]. Mendès; os boêmios;
as mulheres; os talentos, Léon Dierx, Sully Prudhomme, Coppé, – a nova escola, dita
parnasiana, tem dois videntes, Albert Mérat e Paul Verlaine, um verdadeiro poeta – voilà. –
assim eu trabalho para me tornar vidente. – E terminemos com um canto pio.
ACOCORAMENTOS
Bem tarde, quando ele sente o seu estômago enjoado,
………………………………………………………………………….
O senhor seria execrável se não respondesse: rápido, pois em oito dias eu estarei em
Paris, talvez.
Au revoir.
A. Rimbaud
(Tradução de Leo Gonçalves)

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s