Poemas (3) de Marcelo Maldonado

sangue e poema.jpg

Imagem: Pinterest.com (Francis Bacon)

 

(da escritura sanguínea)

poemas sem sangue
são apenas
poemas estanques
lábios sem gosto
dedos de arame
cravados
no revés do rosto

=============

(dos propósitos)

entre parênteses
a poesia parece
prescindir de prece
para tornar-se tese

=============

(da raiva)

represada
em torvelinho
desenhada
no redemoinho
da alma
endemoninhada
se acalma
e arredia
domesticada
se irradia
e escapa
pelos poros
esporádica

 

Marcelo Maldonado

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s