[mexia com a língua…]

mexia com a língua os redemoinhos daquele mar
além de mim e de ti enrolando os cabelos às noites desarrumadas
em pedaços frágeis ondulantes conforme a luz sussurrava
às cortinas de pequenas pedrinhas que saltitam num beijo
ainda por renascer convexo

às estrelas vítreas atadas ao remorso dessas águas marítimas
a baterem contra os versos e estrofes em devaneio esplendoroso
que batem e batem no cântico que pediríamos a este dialecto
mar a morrer no próprio mar
e toda a harmonia desse mar desequilibra a língua

 

filipe marinheiro, em «noutros rostos», chiado editora 2014

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s