Poema (63) de Tito Leite

 

Espinho na pedra

Imagem: Pinterest.com (Ken Unsworth)

 

RITO DE PASSAGEM

 

Escreverei um livro sapiencial,

onde a verdade arderá

como uma bala de prata.

 

Direi que os cordeiros

mordem & desconcertam

minha pouca sensatez.

 

Traduzirei o que arqueja & copula

nos bombardeios da condição humana.

 

As pétalas também

sentem solidão.

 

Antes que o fim chegue, desligue da harpa

as plumas da madrugada. Arrancarei do meu leito

a pedra que possuía um espinho no peito.

 

Mesmo quando tudo perece,

a boa arte combate a morte.

 

Tito Leite

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s