OS PRÊMIOS

Eu – um fracasso contínuo
fraco demasiado
sem grito, sem dor,
sem lamento ou rascunho
me atiro num livro de poemas
como um náufrago a um galho esmo
:
me encolho a cada palavra dita ou não dita,
ambas latejam
[
sangro em cortes profundos feitos de rimas
e âncoras
com voos abortados,
asas tolhidas para dentro
§
longas espirais de fotos antigas
com rostos marcados
pálidos sorrisos ao vento
/
observo de longe os vitoriosos
e abaixo a cabeça
pobres idiotas
]
as misérias me causam comoção.

Anúncios

2 ideias sobre “OS PRÊMIOS

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s