Poema (2) de Fiori Ferrari

bica.jpg

Imagem: Pinterest.com

 

Tensão superficial da poesia

 

No verso limpo

a álgebra do poema.

Desci do mato,

fiz uns cálculos,

arremessei pedra.

 

A água da poesia

reflete a lua

e procuro insetos

que regem no lago manso

o meu país sitiado.

 

Bebo na bica

uma solução potável,

rasgo a fortuna crítica,

as letras são gotas

apressadas de uma saudade que não seca.

 

O barulho.

A tensão superficial desfeita.

A pedra afastou

peixes que descansavam

no chão do rio.

 

Meu profundo amor é ágrafo.

 

Fiori Esaú Ferrari

Do livro Tensão Superficial da Poesia. Ed. Penalux 2016

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s