Poema de Iara Carvalho

leao-marinho

Imagem: Pinterest.com

 

Às vésperas do Leão-marinho

 

Arrastou-se pela madorna

da minha tarde

com a voz corpulenta

e uma ressaca de lírio

nos olhos.

 

Marcou território de longe

com poesia e um rastro

de sargaços

conduzido por suas

nadadeiras acesas.

 

Apanho com a boca

seu fôlego resguardado

no fundo das águas turvas

e me movo dentro

de tão suave respirar.

 

Tão grande que é no pisar

lento dos meus dias

que já não sou a ursa da lira

nem a baleia que me pintaram

no corpo desde a infância.

 

Não sou predadora,

ainda que eu sonhe inspirar

suas lutas de viver.

Sou presa. Metade peixe é

meu nome. Tem fome?

 

Iara Carvalho

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s