PAISAGEM

a paisagem envelhece
como fio tenso de metal
como beco escuro
em que o cão anoitece
e aguarda imóvel
a hora turva

a paisagem envelhece

nos jardins decrépitos
entre as pedras dos murais
entorno à fonte seca
em que molhas sombras, sol
e envelhece

entre os corpos rachados
– poeiras do sótão
a geometria avessa – intacta
– solidão ocasional
feito fuligem e sangue

a paisagem envelhece

Leandro Rodrigues

do livro: Aprendizagem Cinza, Editora Patuá, 2016, pág. 34.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s