Poema (2) de Adri Aleixo

chove.jpg

Imagem: Pinterest.com

 

Chove

 

 Eu não saberia da chuva
não fossem os sapatos novos
encharcados

sob a marquise tentamos cerzir distâncias
corpos excluídos que nada sentem
nada temem

assistimos enlatados à expulsão dos ratos
ao correr dos moços e suas carrocinhas
então voa um corpo, e volta
voa outro, e volta
e outro
e outro

nenhuma estrela, a civilização: este desenho
estes olhos.
esse espaço decantado
esse abrigo de pés
essa enxurrada

essa consternação.

 

Adri Aleixo

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s