DOIS TIGRES (dois poemas)

DE TIGRES #3

Tigre, tigre,
de Norah e de Borges,
atrás de suas
imaginárias grades,
que me diz
dos olhos dela:

— profundos

— profundos

— profundos

 suas garras tão cortantes
como seus olhos tão tristes
em sua prisão de arquétipo
de corpos
de outro
de nós.

1999 – in: Canções de afiar a noite

DE TIGRES #4

todo esse real que não cabe no poema.
aquilo que sofre o tema pra entender a cena:
o teto, o canto, o corredor,
o lençol estirado onde não cabe
amor.

esta tarde branca, que não cabe na cena,
que não vê a mancha
– o dólmen, o menir, o tratado –
das coisas imóveis em
fado.

de mistério e amor
uma aranha não sabe a teia,
um pássaro não sabe o céu,
o peixe não água
nada.

listras passeiam pelas sendas da jângal.
olhos desertos de real.
geometria equilibrada na corda da ginasta,
arfa!

o passageiro sonha no lençol estirado
onde não cabe
amor.

20.5.2013

Anúncios

Uma ideia sobre “DOIS TIGRES (dois poemas)

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s