O POEMA QUE NÃO ESCREVO

para Helena Ortiz

o poema que não escrevo escreve-se sozinho
e escapa entre as pontas dos meus dedos
coberto da tinta do dia
ele acontece entre as folhas das árvores
nas esquinas da cidade
e suspira entre ondas mansas da baía

quem sabe um dia ainda venha o momento de retê-lo na tinta
quem sabe um dia eu sobre ele reflita
e diga verdades absolutas são apenas mentiras escritas
quem sabe

agora basta a vida
chuvosa
deserta
resistente e à prova da própria vida
morre e se renova
incólume de lamentos
sempre sempre esse sol nascendo
a parteira com mãos cheias de futuro

o poema que não escrevo além do que sinto
sou eu
orbe e malha no orbe e na malha da máquina do mundo
lá fora o agora
descendo a ladeira
pescando futuro
quebrando o muro
escrevendo no chão
mundo
caos
poema
tudo.

roberto no circuito

Roberto Dutra jr., no Circuito Carioca de Saraus, foto de Ray Cosmo.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s