As Dálias

 

Dália.jpg

Imagem: Pinterest.com (Susan Crouch)

 

AS DÁLIAS

(Felipe D’Castro)

rolimã de metal, a lua desce;

o sol se esfrega no céu

como ímãs que se amassem.

 

helenas e páris se entroiam,

se ajeitam, autômatos, o jeans treinado.

as lojas sobem suas pálpebras

já não dormem: máquinas.

 

árvores não são árvores, mas nervos

do cimento. fratura exposta que existe

como erro, talvez, de sombra e vida.

 

um casal na praça degusta

o sabor metálico das línguas.

 

: os homens estão de ferro.

 

mas um dia, dizem os poetas,

haverá de nascer uma dália

no coração de cada homem.

Uma ideia sobre “As Dálias

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s