Poemas de Líllian Régis (6)

crina

Imagem: Pinterest.com

sobre o poema que (não) vem

 

há três dias

três versos densos

nenhum telefonema

e o abanar apressado da crina

do poema

que passa a galope

mudo

 

________________________

desbocado

 

traço

fino

apertado

pretensiosamente

desenhado

parengolirtodasaspalavrasquecalo

__________________________

 

“(…) meus olhos secos como pedra

e as minhas duas mãos quebradas”.

                                       Cecília Meireles

 

 desaguou

o amor

secretamente

represado

no fundo

dos olhos

 

mar revolto

incontido

levou

minhas mãos

meu vestido

e me deixou

coberta de sal

 

Líllian Régis

5 ideias sobre “Poemas de Líllian Régis (6)

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s