NOMES

No campinho de terra batida
irregular, sem medida.
Olimpo de solo,
de campeonato,
bola dividida,
pipa embicada,
pique e corrida,
poeira e vitória.

Crianças
correndo e gritando,
suando e crescendo
todas as tardes, o tempo todo
subindo e descendo.
Depressa, o tempo tem pressa.

O calor dentro da alma
o sorriso no meio da cara
vontade maior em cada palma de mão
virando a enxada, agarrando a caneta,
abrindo um livro preparando a lição.

Bola e caderno
debaixo do braço, cheio de terra
no ponto do ônibus
na esquina da casa
na terra batida
no pé um tufão
tão juntos a todo momento
o campinho da minha infância
ali o céu era o chão

Ninguém tinha nome sem se esquecer

Não tinha nome isso assim:
mexer, não mexia
correr, não podia
debaixo do sol
na chuva ou na noite
fria
além da dor
resistia
sem ar.

Vieram os nomes

[fabiana ramon alana joao bruna roberto wesley paulo juliana alexandre yasmin lucas michele luis mariana felipe fernando larissa luís tatiana vitor vanessa luana rosa ryan mateus flavia maria]

A manchete nada mais dizia
esperança fria
cadeira vazia
na mesa
de qualquer família.

Quando aconteceu e os viadutos ruíram
algo da poeira erguia-se,
mas não se via,
sabia-se

A vida mudava
contorcendo-se
em nada

porque a bala encontra sempre um nome de gente, perdida.

Anúncios

2 ideias sobre “NOMES

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s