Coalhada

Minha mãe punha o leite gordo no caldeirão

E o cobria com um pano sob a tampa

Deixava-o no alto do armário

Onde ninguém pudesse alcançá-lo.

 

No domingo, enquanto comia a coalhada

Pensava no zelo com que a preparava

E no que, para meu deleite

O líquido branco tinha se transformado.

 

Eu gostava do mistério

Mais que do leite fermentado.

 

Acácia Rios

Anúncios

2 ideias sobre “Coalhada

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s