Poema (2) de Tito Leite

FOTOGRAFANDO ESCOMBROS

 

O aparelho do mundo desaba

em lamas de ouro e anseios de porcos.

 

Na matéria prima do Estado

sou enigma e caos.

 

É onírico encantar-se pela força do titã.

 

Na parte que me escapa

não tenho receio de nadar com rãs.

 

É em luz e transparência que me vasto.

Tito Leite

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s